TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Virtual x Real: Fronteira ou Imersão?

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian, CEO Caderno Virtual, Brasil

27 Abril 2017

A evolução da TD também tem motivado a discussão sobre os limites entre o real e o virtual. Para sustentar tal discussão é inevitável que seja possível definirmos claramente o que chamados de realidade. Lévy (2003) pondera que não existe distinção entre real e virtual e nem mesmo podemos considerá-los opostos. Para o filósofo, afirmar que tudo que não possui existência real deve ser considerado virtual é um erro, pois nos levaria a concluir que o real estaria associado ao concreto e o virtual remetido ao campo da ilusão ou da imaginação. Ainda segundo Lévy (2003), para algo ser considerado real basta que seja possível de realizar. Em seu livro O que é o Virtual, o autor exemplifica:

Tomemos o caso, muito contemporâneo, da “virtualização” de uma empresa. A organização clássica reúne seus empregados no mesmo prédio ou num conjunto de departamentos. Cada empregado ocupa um posto de trabalho precisamente situado e seu livro de ponto especifica os horários de trabalho. Uma empresa virtual, em troca, serve-se principalmente do teletrabalho; tende a substituir a presença física de seus empregados nos mesmos locais pela participação numa rede de comunicação eletrônica e pelo uso de recursos e programas que favoreçam a cooperação. Assim, a virtualização da empresa consiste, sobretudo em fazer das coordenadas espaço-temporais do trabalho um problema sempre repensado e não uma solução estável (LÉVY, 2003, p. 18).

Nessa ótica, os chamados Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA), por exemplo, não podem ser considerados “irreais” apenas por não utilizarem recursos concretos como livros em papel, quadros em madeira ou pincéis com tinta.

Uma videoaula também não deixará de ser real apenas pelo fato das imagens do professor terem sido geradas em um momento e local distintos aos dos ouvintes, chegando a estes de forma virtual através das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs).

Outro ponto abordado por Lévy está relacionado com o desprendimento do aqui e agora. No caso dos cursos conduzidos através de Ambientes Virtual de Aprendizagem não mais importa definir precisamente a localização exata de professores e alunos, nem condicionar a qualidade do ensino a encontros síncronos envolvendo todos os participantes. Não que eles não existam, mas esses aspectos vêm perdendo consideravelmente sua relevância.

Uma comunidade virtual pode, por exemplo, organizar-se sobre uma base de afinidade por intermédio de sistemas de comunicação telemáticos. Seus membros estão reunidos pelos mesmos núcleos de interesses, pelos mesmos problemas: a geografia, contingente, não é mais nem um ponto de partida, nem uma coerção. Apesar de “não presente”, essa comunidade está repleta de paixões e de projetos, de conflitos e de amizades. Ela vive sem lugar de referência estável: em toda parte onde se encontrem seus membros móveis ou em parte alguma. A virtualização reinventa uma cultura nômade […], fazendo surgir um meio de interações sociais onde as relações se reconfiguram com um mínimo de inércia (LÉVY, 2003, p. 20).

Também com base na inexistência de oposição ou limites precisos entre o real e o virtual, caminham os estudos sobre o que se convencionou chamar de Realidade Virtual (RV). Através de avançados dispositivos eletrônicos, essa técnica possibilita que pessoas experimentem a sensação de presença e materialidade dentro de ambientes virtuais criados por computador. A RV também se ancora no poder da imagem para levar o indivíduo a esse estado de consciência.

A imagem é uma plataforma para a imaginação na qual projetamos a nós mesmos. O espaço entre o perceptivo e o imaginário, entre o real e o virtual, que é constituído através da dupla-apreensão da consciência de imagem é um conflito ou divisão no interior da própria consciência. É o espaço ou a divisão no interior da consciência que se torna mais radicalizada, e enriquecedora para a vida da consciência, com a pura imaginação, de tal modo que, […] a própria consciência se torna “virtual” ou “irreal” (WARREN, 2009, p. 648).

Axt e Schuch (2001, p. 12), constroem uma reflexão teórica que nos remete a pensar na existência de uma hibridação concreto-virtual, mesmo que a tendência seja pensarmos que a virtualização consistiria em ‘um processo de des-realização, de deslocamento em que paradoxalmente o corpóreo parece que se esvai, implode. É fato que, com a TD é possível criar representações virtuais de objetos, situações e até mesmo sensações. Para que isso aconteça é necessário retirar do ambiente ou situação “real” o máximo de informações que possam representá-los virtualmente de forma fiel. Isso geralmente acontece através de processos de profunda abstração. Se o fenômeno da digitalização ficasse restrito a essa “captação” e “virtualização” do “real”, pouco teria a evoluir, mas as possibilidades vão muito além. Imaginemos uma cena de um filme sendo gravada em um estúdio de cinema. Atualmente as câmeras de vídeo captam as imagem e imediatamente as transformam em bits, ou seja, em formato digital.

Essas imagens, nesse momento, já podem ser armazenadas em dispositivos digitais e até mesmo disponibilizadas de forma instantânea ao mundo todo através da internet. Mas o filme ainda não está pronto. De posse das cenas digitalizadas, uma equipe de especialistas consegue editá-las de infinitas formas, inserindo personagens, trocando os cenários, alterando as falas, corrigindo erros e melhorando a iluminação, caso seja necessário. Eles manipulam as imagens (e as pessoas dentro delas) como se fossem reais!

Certamente, quem não assistiu às filmagens e teve acesso apenas ao produto final, após as edições, fatalmente considerará o resultado como “real”. Muitas vezes, esse “real” nunca chegou a acontecer e fora produzido integralmente de forma virtual. O que se quer demonstrar aqui é que estamos evoluindo cada vez mais na interação com o mundo virtual. Com a evolução da interface homem-máquina a interação do real com o virtual amplia-se cada vez mais. Para uma criança, nativa dessa nova geração digital, a virtualização parecerá algo natural. A indústria de jogos eletrônicos é uma das principais responsáveis por esse fenômeno e alavanca as pesquisas sobre interatividade com o virtual. Novamente Axt e Schuch (2001, p. 14), ilustram a importância da interação:

Ajustemos um pouco nossa perspectiva e, por um instante, focalizemos não o artefato tecnológico, mas o sujeito que o habita: perguntemo-nos, como é possível a este sujeito mergulhar nessa sensação de realidade “ilusória”, como dirão alguns autores), como lhe é possível aceitar o jogo e nele imergir? Por que artes sua corporalidade, enquanto funcionamento sensório-motor, e sua cognição podem ser cooptados nesta realidade virtual em suposta oposição a uma realidade “percebida”, dita objetiva? […] A interação parece ser um importante aliado neste processo, na medida em que daria ao sujeito uma sensação de estar no lugar proposto: ’o participante sente que o mundo virtual é ‘válido’, embora seja uma forma de realidade diferente’

 

Os estudos sobre Realidade Virtual (RV) também caminham nesse sentido e trazem novas possibilidades ao campo educacional. A reprodução virtual de ambientes e circunstâncias, que seriam intangíveis de forma material e presencial, certamente abre inúmeras possibilidades de aplicação prática aos conceitos teóricos que professores de todos os níveis tentam ensinar contando apenas com o poder de imaginação e abstração de seus alunos.exto.

[…] projetos experimentais de RV aplicados à Educação também vêm mostrando o quanto, no âmbito cognitivo, o interagir-aprender conhecer assumem novos contornos: é como se, neste mundo, o que é da ordem do pensamento – portanto imaterial-singular-subjetivo, inacessível ao outro que não o próprio pensador – pudesse deslizar para um exterior objetivo, para ser manuseado, transformado, compartilhado; mas que, em tendo deslizado, ainda assim permanecesse interior, imaterial; e toda a interação se desse, neste mundo, no âmbito do virtual incorpóreo: um mundo desabitado de corpos, em que tudo existe parecendo não existir, em que tudo apenas parece, enquanto puro efeito de Real. E, ao mesmo tempo, apesar do alto grau de virtualização, os sujeitos vivenciam experiências que, em sendo de outra qualidade, ainda assim remetem ao sensível, à sentimentalidade; e os sujeitos implicados interagem, aprendem, constroem conhecimento válido (AXT e SCHUCH, 2001, p. 13).

Voltando às ponderações de Lévy (2003, p. 22), que se dedica amplamente ao estudo dos efeitos da tecnologia na sociedade, temos outro aspecto a considerar, chamado pelo filósofo de “pluralidade dos tempos e dos espaços”. Segundo o autor, “[…] assim que a subjetividade, a significação e a pertinência entram em jogo, não se pode mais considerar uma única extensão ou uma cronologia uniforme, mas uma quantidade de tipos de espacialidade e de duração”.

Para Lévy, os meios de transporte e os sistemas de comunicação mudam as relações de tempo e espaço pertinentes às comunidades humanas, e acrescenta: “[…] quando se constrói uma rede ferroviária, é como se aproximássemos fisicamente as cidades ou regiões conectadas pelos trilhos e afastássemos desse grupo as cidades não conectadas”. Mas essa sensação de proximidade não é sentida por aqueles que não andam de trem, criando uma situação em que coexistem “[…] vários sistemas de proximidades e vários espaços práticos[…]”. (LÉVY, 2003, p. 22).

Dessa forma, a sociedade se reconfigura a cada novo avanço tecnológico e, nesse movimento, criamos novos hábitos e novas formas de comunicar, de aprender e de ensinar.

Mas isso é assunto para muitos outros posts!

Referências:

LÉVY, P. O que é o Virtual? São Paulo: Editora 34, 2003.

AXT, M. ; SCHUCH, E.M.M. Ambientes de Realidade Virtual e Educação: que real é este ? Interface – Comunicação, Saúde, Educação. Fundação UNI – Botucatu / UNES: , v.5, p.11 – 30, 2001.

WARREN, N. Consciência virtual e imaginário. Sci. stud. [online]. 2009, vol.7, n.4, pp. 639-652. ISSN 1678-3166.

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian

CEO da Caderno Virtual

Mestre em Educação, especialista em Informática na Educação e graduado em Análise de Sistemas.

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

A Sociedade da Informação e suas implicações na Educação

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Saiba mais sobre Tecnologia Digital, bits e bytes

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Redes, bancos de dados, nuvem e internet: esse é o Mundo Virtual!

Share This