TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Redes, banco de dados, nuvem e internet: esse é o Mundo Virtual!

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian, CEO Caderno Virtual, Brasil

20 Abril 2017

O advento do computador, uma máquina capaz de processar e armazenar informações foi, certamente, o começo para uma revolução informacional. A ideia inicial do computador evoluiu e deu origem a inúmeros dispositivos com as mesmas capacidades de processamento e armazenamento de informações no formato digital, mas com certeza, tais equipamentos pouco teriam a contribuir se continuassem funcionando de forma isolada.

A possibilidade de conexão entre eles transformou-os em portais para um mundo paralelo, virtual, composto por informações de todo tipo, digitalizadas e em constante expansão. Através dos produtos da indústria de hardwares e softwares é possível interagir e manter esse mundo virtual vivo. As redes de comunicação digital interligam um número crescente de nós através de diversos meios físicos (cabos, fibras óticas, ondas de rádio etc). Inicialmente sua abrangência era local, através das LANs (Local Area Network). Com o tempo, essas pequenas redes começaram a se interconectar formando “redes de área alargada”, conhecidas por WANs (Wide Area Network), até convergirem para a grande rede mundial conhecida hoje por internet.

Em fins da década de 1990, o poder de comunicação da Internet, juntamente com os novos progressos em telecomunicações e computação provocaram mais uma grande mudança tecnológica, dos microcomputadores e dos mainframes descentralizados e autônomos à computação universal por meio da interconexão de dispositivos de processamento de dados, existentes em diversos formatos. Nesse novo sistema tecnológico o poder de computação é distribuído numa rede montada ao redor de servidores da web que usam os mesmos protocolos da Internet, e equipados com capacidade de acesso à servidores em megacomputadores, em geral diferenciados entre servidores de bases de dados e servidores de aplicativos (CASTELLS, 2007, p. 89).

A internet, que na verdade se sustenta nos mais variados meios de comunicação (redes de telefonia, satélites, redes de televisão à cabo, redes sem fio e fibras óticas, dentre outras), experimentou sua plena expansão após a adoção de um protocolo comum de interconexão de redes, mais adiante denominado de TCP/IP (Transmission Control Protocol – Protocolo de Controle de Transmissão) e o IP (Internet Protocol – Protocolo de Interconexão).

O protocolo TCP/IP determina as regras de comunicação entre os dispositivos conectados através da internet. Operando sobre o TCP/IP existem outras camadas de comunicação e protocolos que determinam outras regras como, por exemplo, o correio eletrônico (e-mails), a troca de arquivos (FTP – File Transfer Protocol), a transmissão de som, vídeos, voz sobre IP e uma diversidade de outras formas de mídia.

Para o usuário, a execução dos protocolos da rede é até certo ponto fácil, na medida em que não é necessário saber o que está por baixo da interface na tela, muito menos como funcionam os programas computacionais e a máquina em que esses programas são processados. […] É por isso que crianças de cinco anos já são capazes de se conectar a partir da memorização de uma pequena sequência de ícones (SANTAELLA, 2007, p. 39).

Todas essas regras e protocolos são descritos e publicadas em documentos internacionais denominados RFC (Request for Comments), com soluções e padronizações propostas pela IETF (sigla em inglês de Internet Engineering Task Force), uma comunidade internacional aberta formada por técnicos, fornecedores de equipamentos, agências governamentais e pesquisadores que visam o desenvolvimento da arquitetura e o perfeito funcionamento da internet.

Com os inúmeros recursos que a indústria da TD tem colocado a disposição da sociedade, o ritmo de digitalização das informações e, consequentemente, a produção de bits cresce de forma exponencial. Textos, fotografias, vídeos, músicas, sinais analógicos e uma gama de informações são captadas a todo instante e transformadas em bits. Muitos desses bits são apenas transmitidos de um ponto a outro e destruídos em seguida, mas a grande maioria é depositada em dispositivos de armazenamento digitais e bancos de dados espalhados pelo mundo e conectados através de redes de telecomunicação, sobretudo pela internet.

Armazenar bits em dispositivos móveis ou mídias removíveis, como pen-drives, compact disks (CDs), digital video disks (DVDs), foi uma prática muito utilizada durante anos. Mas, com a expansão da internet, esse costume está mudando e cada vez mais as pessoas e organizações têm preferido armazenar seus dados em grandes servidores e dispositivos de armazenamento compartilhados e acessíveis de qualquer lugar onde se tenha acesso à Rede. O deslocamento de recursos e informações executadas e armazenadas localmente para grandes servidores interligados pela internet passou a ser uma tendência.

Nos últimos anos, cresceu o número de empresas especializadas em oferecer serviços centralizados de armazenamento e processamento de informações, conhecidos como Data Centers. Além deles, esses recursos também são oferecidos por grandes servidores das Universidades, órgãos governamentais e pelas mais variadas organizações espalhadas pelo mundo.

Santaella (2007, p. 38) explica que “[…] as duas principais forças da informática, capacidade de armazenamento e processamento da informação, multiplicam-se imensamente na medida em que as máquinas podem se beneficiar umas das outras”.

A soma das capacidades de todos esses equipamentos e recursos originou o conceito conhecido como computação na nuvem (em inglês cloud computing). O conceito de “nuvem” advém do fato de que os recursos e informações podem ser acessados de qualquer lugar que exista um dispositivo digital (computador, tablet, celular etc.) conectado à internet, independente da tecnologia utilizada pelo aparelho.

Dessa forma, damos mais um passo em direção à mobilidade absoluta, ou seja, cada vez mais podemos ter acesso a informações e serviços e, para isso, nem precisaremos de nossos próprios computadores pessoais. Essas possibilidades de interação com a informação digital, armazenada e processada em equipamentos espalhados pelo mundo, onde a localização geográfica e temporal das partes torna-se irrelevante, ajudam a moldar o conceito de ciberespaço. Segundo Santaella (2007, p. 40), “[…] o universo paralelo, que tem sua matriz na internet, que abriga megalópoles, ou bancos de dados comerciais, vem sendo chamado de ciberespaço”, e prossegue apontando para irrelevância da localização exata do ciberespaço utilizando uma citação de Strenger (1993, p. 54), “[…] ciberespaço é como Oz – existe, chegamos a ele, mas não tem ubiquação”. Kenski (2009) elucida que o termo ciberespaço foi empregado pela primeira vez pelo autor de ficção científica William Gibson, em 1984, no romance Neuromancer e, no glossário de sua obra, descreve:

O ciberespaço significa os novos suportes de informação digital e os modos originais de criação, de navegação no conhecimento e de relação social por eles propiciado. O ciberespaço constitui um campo vasto, aberto, ainda parcialmente indeterminado, que não se deve reduzir a um só de seus componentes. Espaço que existe (não no mundo físico) no interior de instalações de computadores em rede e entre elas, por onde passam todas as formas de informação (KENSKI, 2009, p. 134).

A organização dos dados e informações gera novas informações com significados e enfoques diferenciados. Essa tarefa é facilitada quando usamos a linguagem digital, pois “[…] a base da linguagem digital são os hipertextos, sequencias em camadas de documentos interligados, que funcionam como páginas sem numeração e trazem informações variadas sobre determinado assunto” (KENSKI, 2009, p. 32).

A internet, através de sua faceta multimídia conhecida por World Wide Web, nos provê acesso às informações na forma de hipertexto e hipermídia. Poderosas ferramentas de busca facilitam nossas pesquisas. Ambientes colaborativos viabilizam o trabalho conjunto de forma virtual. Ferramentas de comunicação síncrona e assíncrona garantem a interatividade sem a menor preocupação com o tempo e a distância entre seus participantes.

No atual estado da arte, a interatividade na rede permite: acessar informações à distância em caminhos não lineares de hipertextos e ambientes hipermídia; enviar mensagens que ficam disponíveis sem valores hierárquicos; realizar ações colaborativas na rede; experimentar a telepresença; visualizar espaços distantes; agir em espaços remotos; coexistir em espaços reais e virtuais; circular em ambientes inteligentes mediante sistemas de agentes; interagir em ambiente que simulam vida e se auto-organizam; pertencer a comunidades virtuais com interação e por imersão em ambientes virtuais de múltiplos usuários (DOMINGUES, 2002 apud SANTAELLA, 2007, p. 165).

 

Diante da indiscriminada inserção de informações na forma digital em servidores e bancos de dados interligados pela internet, Negroponte (1995, p.144-153) defende a ideia de que o potencial de processamento dos equipamentos digitais e a evolução da interface homem-máquina tendem a serem utilizados para personalizar cada vez mais a informação, localizando e entregando conteúdos específicos através da coleta de informações sobre o perfil dos usuários. Isso não significa filtrar tudo o que entra no universo digital, mas sim especificar precisamente o que sai de lá, de acordo com as necessidades de cada indivíduo.

Para Kenski (2009, p. 32), os hipertextos são à base da linguagem digital e “[…] uma evolução do texto linear na forma como o conhecemos”. Com a possibilidade de inserção e ligação a outras mídias (fotos, vídeos, sons etc) “[…] o que se tem é um documento multimídia ou, como é mais conhecido, uma hipermídia”. Com a possibilidade de navegação através dos chamados hiperlinks, que encadeiam os documentos de hipertexto e hipermídia, a linearidade da leitura cai por terra. Essa navegação permite que o leitor faça seu próprio caminho, de acordo com suas necessidades e habilidades cognitivas. Os caminhos podem ser diferentes até para o mesmo leitor, caso a leitura seja realizada novamente em outras circunstâncias.

Hipertextos e hipermídias reconfiguram as formas como lemos e acessamos as informações. A facilidade de navegação, manipulação e a liberdade de estrutura estimulam a parceria e a interação com o usuário. Ao ter acesso ao hipertexto, você não precisa ler tudo o que aparece na tela para depois seguir em frente. A estrutura do hipertexto permite que você salte entre os vários tipos de dados e encontre em algum lugar a informação que precisa (KENSKI, 2009, p. 32).

Hipertextos e hipermídias reconfiguram as formas como lemos e acessamos as informações. A facilidade de navegação, manipulação e a liberdade de estrutura estimulam a parceria e a interação com o usuário. Ao ter acesso ao hipertexto, você não precisa ler tudo o que aparece na tela para depois seguir em frente. A estrutura do hipertexto permite que você salte entre os vários tipos de dados e encontre em algum lugar a informação que precisa (KENSKI, 2009, p. 32).

A multiplicação de telas anuncia o fim do escrito, como dão a entender certos profetas da desgraça? Essa ideia é muito provavelmente errônea. Certamente o texto digitalizado, fluido, reconfigurável à vontade, que se organiza de um modo não linear, que circula no interior de redes locais ou mundiais das quais o participante é um autor e um editor potencial, esse texto diferencia-se do impresso clássico. Mas convém não confundir o texto nem com o modo de difusão unilateral que é a imprensa, nem com o suporte estático que é o papel, nem com uma estrutura linear e fechada das mensagens (LÉVY, 1996, p. 50).

Diante disso, percebemos o surgimento de um novo tipo de leitor, não mais refém da linearidade imposta pelo texto impresso, que assume o comando de sua rota de leitura através da capacidade interação promovida pelos equipamentos digitais e que tende a criar novas habilidades baseadas nessas novas possibilidades.

Santaella (2007, p.24) classifica os leitores em três categorias. A primeira refere-se ao leitor contemplativo e/ou meditativo, caracterizado pela necessidade de ter “[…] diante de si objetos e signos duráveis, imóveis, localizáveis, manuseáveis: livros, pinturas, gravuras, mapas, partituras” e que é guiado essencialmente pela visão e pela imaginação. Com a evolução dos meios de comunicação e dos grandes centros urbanos surge a segunda categoria: o leitor movente e/ou fragmentado, com aptidões moldadas pelo ambiente em que vive e que permitem uma leitura mais rápida e fragmentada de conteúdos constantemente mutáveis, atualizados e que se apresentam em diferentes linguagens.

Segundo a autora, essa categoria intermediária de leitor “[…] esteve preparando a sensibilidade perceptiva humana para o surgimento do leitor imersivo” (Santaella, 2007, p. 31). O leitor imersivo/virtual abdica totalmente da linearidade e possui habilidades de leitura que não exigem a presença de um “objeto manipulável” e “[…] a tela sobre o qual o texto eletrônico é lido não é mais manuseada diretamente […] pelo leitor imersivo”, e conclui “[…] é certo que o leitor de tela guarda certos traços de semelhança com o leitor da Antiguidade” (Santaella, 2007, p. 32).

Nessa medida, as semelhanças não podem nos levar a menosprezar o fato de que se trata de um modo inteiramente novo de ler, distinto não só do leitor contemplativo da linguagem impressa, mas também do leitor movente, pois não se trata mais de um leitor que tropeça, esbarra em signos físicos, materiais, como é o caso desse segundo tipo de leitor, mas de um leitor que navega numa tela, programando leituras, num universo de signos evanescentes e eternamente disponíveis, contanto que não se perca a rota que leve a eles (SANTAELLA, 2007, p. 33).

Certamente, é esse tipo de leitor imersivo e virtual, ou uma provável evolução dele, que já começa a ocupar os bancos das escolas e os postos de trabalho nas mais variadas áreas. Alguns são nativos desta nova sociedade imersa nas tecnologias digitais, outros experimentam a transição da época em que as informações precisavam se materializar em átomos para serem distribuídas (NEGROPONTE, 1995).

Segundo Castells (2007), da mesma forma que a invenção do alfabeto, ocorrida na Grécia por volta do ano 700 a.C. preencheu a lacuna entre o discurso oral e o escrito, permitindo a separação do que é falado de quem fala, a comunicação interativa proporcionada pela internet e pela multimídia incorporam as linguagens oral, escrita e audiovisual da comunicação humana em um mesmo sistema através de uma metalinguagem chamada de hipermídia. Castells ainda cita Postman afirmando que “a comunicação, decididamente, molda a cultura […]. E nossas linguagens são nossos meios de comunicação. Nossos meios de comunicação são nossas metáforas. Nossas metáforas criam o conteúdo de nossa cultura” (POSTMAN apud CASTELLS, 2007, p. 414).

Referências:

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Rio: Paz e Terra, 1999. (2007). V. 1 e 2.

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: O novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, 2009.

LÉVY, P. O que é o Virtual? São Paulo: Editora 34, 2003.

MORAN, J. M.; MASSETO, M. T.;BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000.

NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2007.

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian

CEO da Caderno Virtual

Mestre em Educação, especialista em Informática na Educação e graduado em Análise de Sistemas.

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Virtual x Real: fronteira ou imersão?

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Saiba mais sobre Tecnologia Digital, bits e bytes

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

A Sociedade da Informação e suas implicações na Educação

Share This