TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Saiba mais sobre Tecnologia Digital, bits e bytes

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian, CEO Caderno Virtual, Brasil

11 Abril 2017

A evolução da tecnologia digital coloca cada vez mais à disposição da sociedade ferramentas que facilitam o armazenamento, processamento e compartilhamento de informações. Entende-se por tecnologia digital (TD) o conjunto de instrumentos e técnicas que têm por objeto a informação na forma digital. O conceito de tecnologia digital abrange as tecnologias da informação e comunicação (TICs). Segundo Santaella (2007, p. 38),

[…] cada vez mais crescentemente processos de comunicação são criados e distribuídos em forma digital legível no computador. Forma digital significa que quaisquer fontes de informação podem ser homogeneizadas em cadeias de 0 e 1. Isso quer dizer que a mesma tecnologia básica pode ser usada para transmitir todas as formas de comunicação – seja na forma de textos, áudio ou vídeo – em um sistema de comunicação integrado, tal como aparece na internet. 

A forma digital é composta pela informação convertida em bits e bytes, sendo que cada bit assume o valor 0 ou 1 (sendo que 0 representa ausência de energia e 1 representa presença de energia). Como um único bit é capaz de representar apenas dois valores (0 ou 1), torna-se necessário agrupá-los em conjuntos chamados de bytes em que byte é composto por 8 bits. A denominação “digital” advém do fato de que toda informação no formato digital é composta por uma sequencia de dígitos 0 e dígitos 1 (bits), organizados em grupos de 8 (bytes).

Através de procedimentos de conversão matemática, o homem conseguiu transformar as informações contidas em textos, imagens, sons, vídeos, movimentos, sensações e sinais analógicos em energia (elétrica, eletromagnética etc). Essa transformação, que passa pela codificação dos dados em bits e bytes permite que as informações sejam armazenadas em pequenos recipientes (mídias) eletrônicos, processadas com extrema rapidez e transmitidas a qualquer parte do mundo nas mesmas velocidades que o som ou a luz se propagam. Negroponte (1995, p. 19) ilustra muito bem essa realidade em seu conceito de bit: “[…] Um bit não tem cor, tamanho ou peso e é capaz de viajar a velocidade da luz. Ele é o menor elemento atômico no DNA da informação […]”. Nesta mesma obra, Negroponte (1995, p. 10) vai além e compara átomos e bits, usando como exemplo o comércio mundial, em que o transporte de mercadorias (compostas por átomos) incorpora “[…] custos imensos de embalagem, despacho e estocagem” e conclui:

[…] isso tudo está mudando rapidamente. A movimentação regular, na forma de pedaços de plástico, de música gravada, assim como o lento manuseio humano da maior parte da informação, sob a forma de livros, revistas, jornais e videocassetes está em vias de se transformar na transferência instantânea e barata de dados eletrônicos movendo-se à velocidade da luz. Sob tal forma, a informação pode se tornar acessível a todos.

A digitalização (e consequentemente a tecnologia digital) está alterando a vida e as relações sociais em diversos setores da atividade humana. Hoje praticamente tudo está sendo digitalizado. Nosso dinheiro se transformou em um número dentro do banco de dados de uma instituição financeira, os livros e a produção científica estão digitalizados, nossos contatos estão em agendas eletrônicas digitais e nosso cotidiano está cada vez mais exposto nos bancos de dados de diversas “redes sociais”. Criamos um “mundo virtual” paralelo à nossa realidade, composto por milhares de bancos de dados interligados, que contém todo tipo de informação. Esse novo mundo fica cada vez mais rico e atraente à medida que mais pessoas, organizações e escolas colaboram com seu crescimento.

É nesse contexto que se insere também o conceito de Sistemas de Informação (SI). Costa e Ramalho (2010, p. 95), à luz de Stair (1998), definem Sistema de Informação como “uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam, manipulam e armazenam, disseminam informações.”, explicando que na atualidade esse conceito foi atrelado ao uso do computador “composto por seis elementos: hardware, software, banco de dados, telecomunicações (redes), pessoas (usuários) e procedimentos”.

O hardware é a parte física do sistema, ou seja, os equipamentos capazes de coletar, processar, armazenar, transmitir e devolver a informação ao ambiente.  Com a evolução tecnológica, essas características não estão presentes apenas nos computadores, mas em tablets, celulares, smartphones, eletrodomésticos, veículos e uma infinidade de equipamentos utilizados na indústria, comércio, medicina, agricultura etc. Por sua vez, o funcionamento do hardware é orquestrado pelos softwares (programas) que são desenvolvidos para atender às necessidades específicas de organizações e grupos de usuários e baseados em procedimentos pré-definidos.

As informações transformadas em bits pelos hardwares e softwares, sob o comando dos usuários, são depositadas em repositórios chamados de Bancos de Dados. Os Bancos de Dados podem alocar-se no mesmo hardware utilizado pelo usuário ou estarem espalhados ao redor do mundo, sendo acessados através das redes de telecomunicações de dados. Um dos grandes desafios na atualidade, além da preocupação em criar hardwares e softwares mais rápidos e robustos, está no estreitamento da interação entre o homem e os sistemas de informação. Nesse campo se concentram os estudos da Interação Homem-Computador (IHC), também conhecida como Interação Homem-máquina. Jhonson (2001) relembra o início dessas pesquisas relatando uma demonstração histórica realizada por Doug Engelbart em 1968, no San Francisco Civic Auditorium:

Mas a outra ferramenta de input que Engelbart usou naquela tarde de outono em São Francisco acabou por desenvolver um mercado, embora fosse levar mais de uma década para ganhar forma. Engelbart chamou seu invento de mouse. Como na encarnação atual, o mouse de Engelbart fazia o papel de representante do usuário no espaço de dados. O software operava uma coordenação entre os movimentos da mão do usuário e um ponteiro na tela, permitindo a Engelbart clicar em janelas ou ícones, abrir e fechar coisas, reorganizar o espaço-informação no monitor. O ponteiro correndo pela tela era o doppelganger, o duplo virtual do usuário. O feedback visual dava à experiência seu caráter imediato, direto: se o mouse fosse movido um centímetro ou dois à direita, o ponteiro na tela faria o mesmo. Sem esse vínculo direto, toda a experiência mais pareceria com a de ver televisão, onde estamos circunscritos à influência de um fluxo constante de imagens que são mantidas separadas, distintas de nós. O mouse permitia ao usuário entrar naquele mundo e manipular realmente as coisas dentro dele, sendo por isso muito mais que um mero dispositivo apontador com sua integração inconsútil de infoespaço mapeado por bits, manipulação direta e o mouse, a demonstração de Engelbart eletrizou a plateia. Aquelas pessoas nunca tinham visto nada parecido, e muitas delas iriam esperar anos para ver algo equivalente. O mundo novo e luminoso do espaço-informação havia despontado de repente, e estava claro que o futuro da computação mudara irreversivelmente (JHONSON, 2001, p. 30).

Tecnologia Digital

Figura 1: Esquema de Digitalização de Informações

O processo de digitalização de informações tornou-se exponencial. Com a desmistificação da tecnologia digital, todos os dias milhões de gigabytes de informações são digitalizadas e passam a compor o que os especialistas passaram a chamar de bigdata. Agora o desafio para as próximas gerações está em organizar, filtrar e tirar o máximo proveito desse universo digital!

Referências:

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2007.

NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

COSTA, L.F.;RAMALHO, F.A., A usabilidade nos estudos de uso da informação: em cena usuários e sistemas interativos de informação, Perspectivas em Ciência da Informação, v. 15, n. 1, p, 92-117, jan/abr, 2010.

JOHNSON, S. Cultura da Interface. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

 

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian

Prof. Msc. Gustavo Cibim Kallajian

CEO da Caderno Virtual

Mestre em Educação, especialista em Informática na Educação e graduado em Análise de Sistemas.

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Virtual x Real: fronteira ou imersão?

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

A Sociedade da Informação e suas implicações na Educação

TECNOLOGIA & EDUCAÇÃO

Redes, bancos de dados, nuvem e internet: esse é o Mundo Virtual!

Share This